Bebidas artesanais baianas são destaques na Exposição de Cachaças no Nordeste, realizada no Exporural, no Parque de Exposições de Salvador, que conta com mais de 20 marcas de cachaça produzidas na Bahia. O evento segue até domingo (20). O secretário de Turismo da Bahia (Setur), José Alves, em visita a exposição nesta quarta-feira (16), falou sobre a renda que os produtos típicos do estado podem gerar para a comunidade baiana. “Trabalhamos a Produção Associada ao Turismo com a intenção de promover o fornecimento de produtos regionais, como a cachaça, a hotéis, pousadas, bares, restaurantes e lojas de suvenires”, explicou Alves. Segundo o empresário, Raimundo Freire, existem 25 produtores legalizados de cachaça de alta qualidade na Bahia. Alguns destaques são as Rio do Engenho (da cidade de Ilhéus) e Matriarca (do município de Medeiros Netos). Além da Serra das Almas, do Rio de Contas, conhecida como a primeira cachaça orgânica do Brasil. Para o empresário, os produtores deveriam se associar para divulgar a cachaça como marca da Bahia e assim melhorar seus serviços. Nelson Luz Pereira, diretor da Associação de Produtores de Aguardente de Qualidade da Microrregião de Abaíra (APAMA), tem a profissionalização do turismo da cachaça como um dos objetivos. Abaíra que tem uma das cachaças baianas mais conhecidas do Brasil, produzindo anualmente 200 mil litros. Além do Secretário do Turismo, José Alves, participaram da visitação ao evento o Secretário de Desenvolvimento Urbano, Fábio Lucena, representantes do trade turístico, como o presidente do Conselho Baiano de Turismo, Roberto Duran; a presidente do Sindicato dos Guias de Turismo da Bahia (Singtur), Silvana Ross; e o diretor do Salvador e Litoral Norte Convention & Visitors Bureau, Sergio Gomes. E a cônsul da Grécia, Miriam Souza.

A equipe de Cardiologia intervencionista da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna e Serviço de Hemodinâmica – Unicor Bahia realizou recentemente um procedimento pioneiro na região: o Implante Transcatéter de Válvula Aórtica, também chamado TAVI. A cirurgia é utilizada para tratar uma doença muito comum em pacientes idosos e com prevalência cada vez maior no Brasil com o envelhecimento populacional, a estenose aórtica. O TAVI evita que o paciente tenha que fazer uma cirurgia com a abertura do tórax, o que aumenta o risco para esta faixa etária populacional. Segundo o médico hemodinamicista e Coordenador do Serviço de Hemodinâmica/Unicor Bahia, Dr. Gláucio Wernerck Mozer, a iniciativa é promissora. “Tenho certeza que, em um futuro próximo, nos consolidaremos como Centro de Referência de TAVI no Sul da Bahia”, declarou Dr. Gláucio.

TIM é a primeira operadora do Brasil a incluir ligações ilimitadas no plano controle